José ama Maria, que ama José… mas nao bastou …..

Padrão
José ama Maria, que ama José… mas nao bastou …..

José ama Maria, que ama José. Cada um com seu pranto, seguindo sem rumo a fumaça de uma felicidade perdida em algum canto, esquecida na poeira de um porta-retratos.
Aonde haviam ido parar todas as evidências de um amor insuperável, capaz de sobreviver às intempéries da união sem ao menos soltarem as mãos?

Por que isso agora, soltos em galáxias distintas, encarando a vida de cara lavada, sem graça e sem cor e sem um sopro de promessa de que dias melhores virão?
Quando o amor acaba tudo é mais fácil: o recomeço pede um esforço miúdo.

A resiliência do fim acalenta o cansaço de quem esgotou todas as possibilidades. Restou a convicção de que não há mais amor e nesse momento nada pode ser feito. É vida que segue, é coração batendo no peito, sangue correndo nas veias e a vontade de ser feliz por merecimento, com o que restou de si mesma.

Duro é quando duas pessoas se despedem do ‘felizes para sempre’, mas com a esperança de que seja apenas um ‘até em breve’. Escondem-se os sorrisos, vão-se embora os longos e úmidos beijos e os abraços apertados. Acabou a alegria, a vontade de lutar para que dê certo. Tudo. Menos o amor.

Resta apenas uma saudade doída do que foi e do que não mais será, a constatação de já fomos felizes ao ápice, que amamos com uma intensidade e inocência que não se repetirá.

Mas por que desistir do amor? Por que abrimos mão dele e deixamos que os pormenores sejam maiores?

Por obra do destino e das sarcásticas pegadinhas da vida, por motivo de orgulho ferido, por intromissão de terceiros e quartos e quintos, com suas soluções mirabolantes sobre um relacionamento onde não cabem e tampouco pertencem.

Colocamos a culpa na distância, no ciúme sufocante, na jornada de trabalho abusiva, no olho gordo da vizinha solteirona. Queremos um porquê capaz de nos convencer de que não amamos mais, de que o melhor a fazer é esquecer e, consequentemente, substituir.

Acontece que o amor não acaba assim… Não mesmo. Quando ele cria raiz dentro da gente, não morre com qualquer ventania. Passa o tempo, mudam as estações e tantas pessoas circulando nas veredas do nosso coração. Ainda não entendemos a razão de estarmos separados e o propósito de não estarmos juntos. Agora, tudo parece tão banal diante do amor que continua intacto.

Anúncios

»

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s